Competição: até que ponto é saudável?

Post novo é sinal de bons tempos, ou seja, férias da faculdade!! E o texto de hoje é uma auto-reflexão e uma proposta de reflexão coletiva, raramente escrevo com esse intuito, mas julgo ser necessário no momento.

Ainda com períodos corridos, de produção e planejamento contínuos o meu hábito de observar permaneceu constante. Tenho visto, lido ou presenciado fatos, tanto no campo acadêmico quanto no profissional que me incomodam um pouco.

Competir é algo natural do ser humano, é interessante para estimular a capacidade criativa, inovação e até considero uma estratégia sábia para extrair o que as pessoas tem de melhor, enquanto profissionais. Todavia, diante de algumas ocasiões me pergunto até que ponto competir é saudável?

Tenho observado situações bastantes desnecessárias, que não somam, não definem nada e não levam ninguém a lugar algum. Como mera aprendiz da vida e do mercado profissional visualizo o futuro e questiono com quais profissionais quero/terei que me relacionar? Com qual ética terei que lidar, com a ensinada no acadêmia ou com a que vejo manifestada por aí?

Não quero aqui bancar a Gandhi ou a Tereza de Calcutá, sei das minhas limitações e que há um mundo para descobrir e aprender. Mas se a principal atividade das relações públicas é estabelecer e manter relacionamentos harmoniosos – acho que estamos (e me incluo nessa) fazendo algo errado!

Li a seguinte frase em algum dos blogs que acompanho “assimilamos melhor o aprendizado quando sabemos o que não fazer!”. Posso afirmar que estou aprendendo muito com as falhas que vejo, espero não receber um tiro pela culatra e cometê-los posteriormente.

É importante pensar que sempre, querendo ou não, somos exemplos para alguém. Se acadêmicos – os mais novos nos observam, se profissionais – nós acadêmicos o observamos.

Anúncios

8 pensamentos sobre “Competição: até que ponto é saudável?

  1. Gostei da postagem, acredito que nossa profissão é minimizar conflitos e não gerar conflitos
    ou até mesmo como alguns profissionais ficam criticando as ações de outros profissionais.
    Sucesso a todos VersatilRP

    • Pois é, algumas coisas me fazem refletir muito sobre atitudes profissionais. Mas, entra aí uma série de outros aspectos: histórico, personalidade, contexto e assim por diante. Temos também que exercitar a empatia, mas as vezes é um pouco complicado!

  2. Esse ponto de vista, relativo a competição se engloba em todos os aspectos da sociedade atual.
    Existe muito essa coisa de sermos sempre o melhor, e que façamos de tudo para ser assim.
    É um erro que acabamos cometendo. Nós temos que ser os melhores quando conseguimos ter condições, para sermos assim.
    (Puxando um pouco pro lado esportivo) Hoje mesmo, um país (Monserrat) estreou nas eliminatórias pra Copa de 2014 (os estádios não estao prontos, mas as eliminatórias já começaram) e eles perderam por 5 x 2, jogando em Trinidad e Tobago (não poderial jogar em casa – falta de estrutura) contra Belize.
    Mas no caso, eles pouco se importaram com o resultado, pois com a história do país – que sofre com terremotos e que em 1995, sofreu com a erupção de um vulcão e o evacoamento da capital -, o fato de jogarem, já era um feito pra nação.
    Assim, devemos olhar nesta parte relativa a competição: Alcançar aonde podemos chegar no momento e nos preparar para melhorar mais e mais, desde que, de maneira justa e digna, como fazem estes nobres homens de Monserrat, ao representar um país que sofre com erupções e terremotos.

  3. Acredito que sempre nos depararemos com isso, temos que ter jogo de cintura e manter sempre o bom senso e a ética. Afinal presenciamos e vemos cada coisa todos os dias.

  4. A verdade é que competição é saudável desde que não seja a qualquer custo, mas como estímulo a criatividade e superação, porém nem sempre acontece, seja no meio acadêmico ou profissional, e isso se estende em todas as profissões. Cabe a nós a reflexão, e o desafio de atuar num mercado competitivo, sabendo bem o que queremos e o que não queremos para a nossa trajetória pessoal e profissional.

  5. Pois é, eu gosto da competição me estimula, cresci jogando e trabalhando em time pra uma finalidade, mas no esporte a gente aprende também que ganhar significa empenho, treino e fazer parte, e que respeitar o outro lado é parte fundamental! E nada mais gostoso do que vencer e ter as pessoas do lado ou perder e aprender onde errou, mas sempre com a cabeça erguida de quem fez o correto.
    Posso dizer, tenho medo também dos profissionais com os quais vou trabalhar pelo menos pelo que posso acompanhar academicamente a coisa ta feia =(.
    Vou voltar pro hand…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s