Vamos Postar a Constituição?

Constituicao-capaUm belo dia no reino paulistano, o prefeito Fernando Hadadd e o Governador Geraldo Alckmin decidem que  a tarifa dos coletivos sofreriam um reajuste no valor de R$ 0,20. Não sabiam o que estavam produzindo, então o Movimento Passe Livre, movimento social que tem como principal bandeira a tarifa zero, saíram às ruas para reivindicar a decisão, o slogan: “se a tarifa não baixar a cidade vai parar”.

A grande mídia tratava a onda de manifestos, como ato isolado de alguns baderneiros, mas em um dos atos a policia militar se excedeu e acabou acertando com tiro de borracha no olho de uma jornalista da Folha de São Paulo. A agenda setting mudou, e os até então vândalos se transformaram em jovens altamente politizados que mudariam o Brasil. O slogan  “gigante acordou”, não é propaganda do Johnny Walker, e os jovens através do Facebook bradavam ”vem pra rua”, não é propaganda da Fiat.

No dia 17 de junho milhares de brasileiros saíram às ruas e fazendo que esse dia entrasse para história e o fim nós sabemos, tanto o Fernandinho quanto o Geraldinho recuaram e ouviram a opinião pública, e a tarifa dos coletivos voltaram a custar R$ 3,00. Esse acontecimento efervesceu os debates sobre a importância que as redes sociais tiveram nesse capítulo da democracia brasileira. Mas por que contextualizei tudo isso? Muito simples, li uma matéria na Revista Superinteressante que um país europeu escreveu uma nova constituição através do Facebook. O texto na revista foi escrito pela repórter Valquíria Vita e ela brinca falando que “enquanto no Brasil manifestantes saíram do Facebook e foram para rua, na Islândia eles saíram às ruas e depois voltaram para reescrever a Constituição no próprio Facebook.”.

Tudo era lindo na Islândia até a crise econômica que afetou o mundo em 2008, 100 % da população sabia ler, 95% tinha acesso a internet e a economia ia muito bem, desemprego 0. E segundo descreve a reportagem com a crise: “os maiores bancos da região faliram e a moeda local sofreu uma desvalorização de 80% em relação ao euro. A taxa de desemprego aumentou nove vezes, a dívida do país chegou a 900% do PIB”. Era o paraíso virando um inferno e as pessoa empobrecendo. Resumindo, o povo foi às ruas e entre diversas reivindicações, o que eles queriam era uma nova Constituição e conseguiram através do Facebook, a primeira elaborada no modelo crowdsourced. A dinâmica é simples, para mediar as contribuições foi formado um conselhos de 25 voluntários sem ligações com partido politico, esses postavam os textos recebidos no Facebook após cada reunião na qual a população debatia sobre o assunto. Depois de escrito, o texto da nova Constituição passou por um referendo que foi aprovado por dois terços dos irlandeses no ano de 2012 e aguarda aprovação do Parlamento.

Pensou que louco se nós conseguíssemos fazer isso no Brasil? É jovem, será que nossa democracia é madura para isso? Você leitor o que acha? Eu acho no mínimo interessante a ideia de se construir algo tão importante utilizando a inteligência coletiva, mas gostaria de saber sua opinião. Então? Só lembrando que no dia 14/08/2013 o Movimento Passe Livre promete voltar às ruas e a reivindicação agora é outra, o chamado “propinoduto tucano”, denuncia que afirma que o PSDB teria desviado R$ 425 milhões das obras do Metrô e da Companhia Paulista de Transportes Metropolitano (CPTM), vamos ver no que vai dar.

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s