Como as emoções influenciam nas estratégias organizacionais

emoo-no-trabalho

Um estudo revelou que os seres humanos desenvolvem quatro emoções básicas: felicidade, tristeza,  medo/surpresa e raiva/nojo. Essas “emoções mães” fundem-se e geram várias outras emoções conhecidas, como apresenta a roda de emoções desenvolvida por Robert Plutchik’s.

O Versátil RP traz para seus leitores hoje, como cada uma dessas quatro emoções influenciam no comportamento/ação das pessoas e em consequência disso, em como é fundamental as empresas se preocuparem e criarem estratégias em relação à elas.

Esse post apresenta a publicação de Courtney Seiter no The Next Web: “Emotion in marketing: how our brains decide which contente is shareable” que relata como  os acontecimentos no cérebro influenciam e motivam as pessoas a ações. Entenda a seguir:

Felicidade = Compartilhamento
Segundo estudos, a felicidade é a principal emoção que faz as pessoas quererem compartilhar nas mídias sociais, os conteúdos virais por exemplo, são os que mais refletem esse fato. É no córtex pré-frontal esquerdo do cérebro em que a felicidade se encontra e a partir dele torna-se um motor de ação:  quando vemos uma imagem que nos anima enviamos para outros, postamos fotos da nossa vida, curtimos e comentamos nas postagens de outras pessoas. Essas ações são como presentes nas redes sociais, uma “troca de energia” que sacia nosso próprio prazer. Oportunidade para as empresas focarem em conteúdos que gerem essa sensação nos internautas.

Tristeza = empatia
Emoções de tristeza/pesar acendem a mesma região do cérebro da felicidade, mas também produz determinadas substâncias neuroquímicas: cortisol o “hormônio do estresse” e oxitocina, substância a qual promove a conexão e empatia e que portanto, torna as pessoas mais generosas e confiantes. (Deve ser por isso que ainda vemos no Facebook pessoas compartilhando postagens como “compartilhe e o Facebook irá doar 1 real para ajudar tal pessoa…”). Os anunciantes  e empresas devem aproveitar desses fatores para construir a a empatia e confiança em um produto ou marca, e, consequentemente, aumentar as vendas.

Medo/surpresa = Ligação
A emoção do medo é controlada por uma pequena estrutura no cérebro chamada amígdala, a qual ajuda a determinar o significado de qualquer evento assustador e decidir como responderemos a ele. Mas o medo também pode causar uma outra resposta, segundo estudo, as pessoas lidam com o medo através de ligações com outras pessoas, mas na ausência delas, ao assistir um filme de terror por exemplo, as pessoas acabam se apegando à marcas.

Raiva = teimosia
O hipotálamo é responsável pela raiva, mas também com fatores como a fome, a sede, a resposta à dor e satisfação sexual. Ela pode levar a outras emoções como a agressão, mas quer-se focar no resultado de teimosia que a raiva gera, a exemplo de conteúdos negativos que tem efeitos duradouros e que fazem com que as pessoas demonstrem e defendam sua postura. Essa emoção está muito ligada à insatisfação com as empresas e que muitas vezes são expostas nas redes sociais.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s