Dubsmash e a propagabilidade

Por Francyele Fraga

No último mês, o nosso feed de notícias do Facebook, Twitter e Instagram nos apresentou um fenômeno: o Dubsmash.

Dubsmash é um aplicativo gratuito que permite gravar vídeos curtos e aplicar dublagens engraçadas, como trechos de desenhos, filmes, programas de TV, sons de animais, dentre muitos outros. Esses vídeos podem ser compartilhados nas mídias sociais ou por meio de aplicativos de bate papo, como o Whatsapp.

Fran
A ferramenta está disponível desde novembro de 2014, mas só se tornou “febre” entre os internautas nos últimos meses, quando alcançou 20 milhões de acesso no mundo todo, sendo o Brasil o país que mais baixou o aplicativo na segunda semana de abril de 2015.
Entretanto, agora que as nossas timelines começam a voltar à sua rotina comum, ou seja, sem as centenas de dublagens postadas, repetidamente, pelos que viciaram no app, nos vem uma questão: será que o Dubsmash será mais um “viral” que chegou ao seu auge e começa a desaparecer em menos de um mês?
Se os planos da equipe responsável pelo Dubsmash se concretizarem, o aplicativo não será esquecido tão facilmente. Porém, quem não gostou do domínio dos vídeos do app em suas timelines não precisa começar a reclamar, pois a intenção da equipe é tornar o aplicativo mais parecido com uma mídia social. Dessa forma, os fãs do Dubsmash trocariam os vídeos por meio desta rede, não incomodando quem não gostou tanto do aplicativo.

fran2Independente do destino do Dubsmash, o “boom” do aplicativo evidencia que estamos na “velocidade da luz” quando falamos de informação e internet. Assim, o que criamos pode se propagar de forma extremamente rápida.
Essa propagabilidade nos traz alguns pontos interessantes, o primeiro é que o público tem papel ativo para que o conteúdo se torne propagável. Isso não significa que agora cabe aos profissionais criar o que quiserem de qualquer forma, sentar e torcer para que se propague ou, como muitos falam, se torne um “viral”. Para que o público propague determinada mídia é necessário que esta se torne uma escolha, um interesse ou um propósito e, para isso, é necessário criar coisas relevantes para o público.
Como profissionais de comunicação, cabe a nós criar mensagens e conteúdos interessantes para o público. Logo, independente da habilitação, devemos versatilizar para assim tentarmos, baseados nos nossos conhecimentos e em estratégias, criar algo que se propague e atinja o nosso objetivo: gerar engajamento e relacionamento.

Fontes:

http://www.techtudo.com.br/dicas-e-tutoriais/noticia/2015/04/veja-como-usar-o-dubsmash-app-que-cria-videos-com-dublagens-famosas.html

http://canaltech.com.br/tutorial/apps/dubsmash-saiba-como-usar-o-app-de-dublagem-que-esta-fazendo-sucesso-no-brasil/

Livro Cultura da Conexão – Criando Valor e Significado por Meio da Mídia Propagável de Henry Jenkins, Joshua Green e Sam Ford

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s