Busquemos nossos medos!

por Daniel Dipp
10 Steps for Overcoming the Fear of Making a Change

Desafie-se!

Fala-se muito em ter coragem, mas quando foi a última vez que você sentiu medo? Não digo medo de um assalto ou de sofrer algum tipo de violência, pergunto quando foi a última vez que você saiu da sua zona de conforto, que você se desafiou a realizar algo que até então você nunca fez, ou que você tenha medo que possa dar errado, que te dê um frio na barriga, um embrulho, um suar frio?

Porque ser corajoso na sua zona de conforto é ilusório, pois não há muito o que enfrentar. E a coragem é você se posicionar, é acontecer um conflito, você quebrar um estereótipo ou algo que todos já esperavam de você. Você pode enfrentar um medo interno ou algo externo, mas precisa existir uma ação ativa.

E para ilustrar este processo de conflito, gosto de um experimento que fizeram na Nasa (sigla em inglês de National Aeronautics and Space Administration – Administração Nacional da Aeronáutica e do Espaço): cientistas colocaram algumas plantas em um ambiente ideal, com água, luz, nutrientes, solo fértil, tudo o que é favorável para que elas se desenvolvam. A única coisa que não tinha no experimento era o vento, porque queriam ver como as plantas reagiriam à um ambiente sem conflito.

O que aconteceu é que as plantas cresceram, se desenvolveram rápido, e foram crescendo verticalmente, até um momento em que as pontas pendiam para o lado, pesavam, caíam e morriam. Os cientistas analisaram e perceberam que o que aconteceu foi que as plantas não desenvolveram suas raízes em razão da falta de conflito com relação ao vento, assim, elas não conseguiam se sustentar.

E esta capacidade de sustentação das plantas é a nossa capacidade de enfrentar nossos medos. A nossa resiliência é responsável por formar nossas raízes que são nossos aprendizados, muitas vezes vindos de experiências impactantes envolvendo transformações e mudanças. A coragem então não é algo que requer alguns segundos, é muito mais contínuo; até mesmo quando você vai pular de um bungee jump ela é requisitada em diversos momentos, não apenas quando você está na ponta da plataforma. E acontece o mesmo com nossos sonhos e projetos.

E um dos grandes conflitos da nossa geração é desenvolver essa capacidade de resiliência, do ser determinado, e perceber que precisamos “ralar” e trabalhar bastante na nossa ideia, que os resultados muitas vezes não vêm tão rápidos quanto gostaríamos, mas que precisamos ir nos aperfeiçoando para assim desenvolver este retorno rápido.

Meu objetivo é refletir quando foi a última vez que você foi desafiado, não necessitando pular de bungee jump. Às vezes pode ser falar na sala de aula o que você acredita, em uma reunião você se posicionar em prol de um projeto que faz teu olho brilhar… E perceber que o medo faz parte – e que se tiver com medo, vai com medo -, e aproveite o medo para otimizar suas ações.

Quando estamos com medo, nosso corpo pode paralisar ou desenvolver mecanismos para agirmos mais rapidamente para lutar ou para fugir, que utilizemos para lutar em prol de nossos sonhos.

 

1526634_653222044718883_1682396286_n

DANIEL DIPP, formado em Comunicação Social – Relações Públicas pela UFPR e pós graduando em Educomunicação pela USP, empreende a Quíron Educação, negócio social focado em transformar a educação brasileira, formando pessoas protagonistas e desenvolvendo ambientes autênticos, transformadores, inovadores e empreendedores.

www.quironeducacao.com.br

www.facebook.com/quironeducacao

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s