#03 RP de A a Z: o dicionário de termos do bom comunicador

Por Michele Boin

Chegamos a nossa terceira lista de jargões da área (você pode conferir todas as outras aqui), então que tal saber um pouco mais sobre os termos utilizados por nós da letra L à letra Q? Não é hora de perder tempo, é hora de se tornar expert em Comunicação de A a Z. Confira! 😛

civrp4

Lead: Termo jornalístico que representa a primeira parte de uma notícia, normalmente o primeiro parágrafo de uma matéria ou de um release, onde estão contidas as informações mais importantes e de maior interesse para os jornalistas e leitores sobre o tema. Ele dá a base para todo o restante do texto e também pode ser chamado de lide.

Lobby: Técnica em que o lobista ou grupo organizado pressiona um órgão ou governo em benefício da companhia para a qual atua. Costuma ocorrer no âmbito político/governamental e de poder público, visando exercer influência sobre as decisões informalmente. É uma forma de comunicar, debater e convencer executivos do governo em prol de interesses particulares ou gerais. Embora nos Estados Unidos a profissão seja regulamentada, aqui no Brasil ainda não é comumente ligada à corrupção. O conceito original de lobby não é o de uma atividade ilícita.

Logotipo: Basicamente é a junção dos itens “tipografia” e “símbolo” de uma marca em uma representação gráfica, que constitui parte da identidade visual da empresa.

Mailing: Vem de ‘Mailing List’, termo em inglês. É como um banco de dados que costuma conter nome, telefone, e-mail, veículo, editoria e outros dados. Ferramenta estratégica e essencial para o desenvolvimento do trabalho de assessoria de imprensa, mas pode ser usada em outras áreas.

Mapeamento de públicos: Teoria desenvolvida pelo Prof. Dr. Fábio França. É um método de classificação de públicos que identifica o grau de relacionamento deles com a empresa e o seu poder de influência nas suas ações, além da importância para sua sobrevivência. Ferramenta estratégica dos relações-públicas.

competencias-de-comunicacao-870x400

MC: Sigla para ‘Mestre de Cerimônias’. É o profissional que atua como um elo entre os convidados e o anfitrião do evento, apresentando o mesmo de acordo com uma série de regras de etiqueta, cerimonial e protocolo. Ele faz a solenidade de um evento, que pode ser formal ou informal.

Media training: É o treinamento destinado aos porta-vozes de uma empresa para o aprimoramento do relacionamento com a mídia. Nesse treinamento são apresentados os pontos que podem e não podem ser abordados numa entrevista com a imprensa – exclusiva, coletiva ou individual -, como se vestir, dicção e postura, preparação para posicionamento mediante situações de crises e outros. Normalmente é feito com simulações dessas situações, utilizando Q&As como base.

Media kit: É um documento que tem como objetivo precificar espaços em sites, redes sociais e veículos. Ele normalmente tem o formato de uma apresentação em PPT ou PDF, onde contém descrição do canal tal como tempo de existência, número de seguidores/assinantes, perfil do público, temas abordados e valor de espaços e formatos deles para publicidade de anúncios.

Mote: É o tema principal de uma campanha ou ação, ou seja, o conceito em cima da qual está sendo construída. É o mote da campanha que dá todo o sentido a mesma e indica a melhor estratégia a ser adotada.

Networking: União das palavras ‘net’ (rede, em inglês) e ‘working’ (trabalhando, em inglês). Nada mais é do que a rede de contatos de uma pessoa, a busca e manutenção dela. O intuito do networking é sempre acadêmico ou profissional, pessoas com que se possam trocar “figurinhas” sobre os estudos e a área de atuação, ajudar com indicações para oportunidades de trabalho etc.

Newsletter: É um tipo de boletim informativo, que pode tanto ser direcionado ao público interno quanto ao externo. Normalmente, contém informações de uma área ou empresa específica e você deve assinar para receber. Nos dias atuais a maioria é digital.

Ombusdman: Expressão de origem sueca que significa ‘representante do cidadão’. Dessa forma, ombudsman nada mais é do que o profissional contratado por uma empresa pública ou privada para representar os stakeholders da mesma, defendendo suas sugestões, reclamações e elogios. É mais um canal de comunicação onde este profissional tem contato direto com a alta administração.

Opinião pública: Expressão que se refere a uma opinião generalizada da população, ou seja, é o conjunto de considerações próprias da sociedade. É quando a população participa da criação, execução, prática e controle das diretrizes que regem uma sociedade, tendo alto poder de influência.

Organização: Basicamente, é um conjunto de indivíduos que se unem em prol de uma causa em comum. Na Comunicação, Administração e outras áreas que envolvem gestão, organização é uma empresa que se constitui por ter departamentos e pessoas organizados, normalmente hierarquicamente, buscando oferecer produtos/serviços.

Organograma: É uma espécie de diagrama utilizado para demonstrar as relações hierárquicas numa organização. Normalmente é apresentado verticalmente, mas também pode ser horizontalmente. Ali se coloca nome e/ou cargo do profissional e o setor a que ele corresponde, além de a quem ele está diretamente subordinado e quem ele comanda.

Overview: É uma visão geral de uma organização, campanha ou ação. É como um resumo que dá a amplitude da mesma.

Paradigma: É um modelo ou padrão que as pessoas seguem em suas vidas, muitas vezes psicológico.

Pauta: Em comunicação, utilizamos essa palavra tanto como assunto de uma reunião ou o tema que um repórter vai tratar em sua matéria.

Pesquisa qualitativa: É a pesquisa que tem seus resultados medidos por meio da qualidade. Neste tipo de pesquisa, o que mais se usa é a entrevista em profundidade, e, apesar de haver uma quantidade mínima de pessoas como amostra para se poder ter assertividade em seus resultados, o que importa é a qualidade das respostas, o aprofundamento delas, e não a quantidade de pessoas a responderem a mesma.

comunicacao-2Pesquisa quantitativa: É uma pesquisa que tem seus resultados medidos por meio da quantidade de pessoas que responderam o questionário. Nesse tipo de pesquisa é importante se ter uma grande quantidade de pessoas como amostra e não é permitido o aprofundamento da resposta, sendo normalmente respondidas por alternativas já estipuladas pelo entrevistador ou outras métricas mais objetivas. Pode ser aplicada em vários formatos e canais.

Plano de Relações Públicas/Comunicação: É o resultado final do trabalho completo de um profissional de Relações Públicas ou de uma agência de comunicação. Ele pode ser tanto específico para uma área da comunicação, tal como assessoria de imprensa ou comunicação interna, como pode contemplar a empresa de uma forma geral. Nele são especificados os dados coletados de acordo com os objetivos do contratante, tanto da empresa (briefing) quanto do mercado (análise macroambiental); embasamento para a constituição do plano utilizando análise dos 10 M’s de Marketing, SWOT, benchmarking, mapeamento de públicos, pesquisa quantitativa e, se necessário, pesquisa qualitativa; diagnóstico de resultados a partir de todo o conteúdo coletado anteriormente; e, por fim, as campanhas de Comunicação com objetivos, estratégias, público-alvo, descrição de materiais, desenvolvimento por etapas, orçamentos, cronogramas e layout de peças. É um produto estratégico e crucial para uma empresa, em que tudo deve estar “amarrado” de acordo com os objetivos da organização ao solicitar o serviço e com as ações recomendadas pelo comunicador.

PR: Sigla em inglês correspondente a RP em português, ou seja, Relações Públicas. Normalmente se refere ao profissional ou a área.

Press-kit: É um kit voltado para a imprensa, normalmente com informações da organização e, se for o caso, da ação específica. Um bom press-kit responde a todas as perguntas dos jornalistas. Normalmente é distribuído em eventos específicos ou coletivas de imprensa. Em datas comemorativas, tal como Festas de Fim de ano e Dia do Jornalista (07 de abril), as organizações também costumam produzir um press-kit, este como uma forma de presentear os profissionais de maneira estratégica, “marcando presença”. Nesses casos, os mais comuns são bloquinhos de notas, canetas, moleskines, agendas etc.

Press-release/Release: Normalmente feito pela agência que presta o serviço de assessoria de imprensa, é um comunicado de uma organização ou pessoa pública sobre um acontecimento ou notícia relevante para a mídia, população e afins. Em alguns casos, como em crises, por exemplo, pode servir como ferramenta de resposta às questões já de conhecimento público. Visa auxiliar o trabalho do jornalista de maneira estratégica para uma organização ou pessoa pública por meio de seu posicionamento, participações, produtos, serviços e outras atividades.

Press-tour: É um tour, ou passeio, para a imprensa. Se usa muito quando a empresa quer apresentar o espaço físico onde as atividades dela são desenvolvidas para os jornalistas, fazendo um passeio com os profissionais pelos departamentos da empresa e mostrando como as ações são desenvolvidas. É uma ferramenta estratégica e é muito usada por indústrias automotivas ou de alimentos e bebidas, por exemplo.

Press-trip: É um viagem para a imprensa. Utilizada principalmente quando se tem alguma ação em alguma região que não a de base do jornalista e se faz importante a presença dele na mesma, então a empresa convida o jornalista a viajar para fazer a cobertura da ação, evento ou lançamento e, para tal, paga todas as despesas que envolvem o processo.

Q&A: Sigla para “Questions And Answers” – ou Perguntas e Respostas, em português. É um material estratégico com perguntas que provavelmente serão realizadas por jornalistas (no caso do Q&A externo) ou colaboradores (no caso do Q&A interno) e as respostas para cada uma delas. Utilizado em ações específicas e normalmente de grande impacto, são apresentadas à alta administração e/ou porta-vozes da organização para que estejam preparados para responder qualquer questionamento já previsto, blindando a empresa e evitando possíveis equívocos de interpretação durante o processo. Dessa forma, a companhia se prepara e “controla” como aquilo é comunicado aos seus públicos.

Quiet period: Em tradução literal é o “período de silêncio”. Se refere ao período que antecede a abertura de capital de uma empresa na bolsa de valores ou ao período que antecede a divulgação de seus resultados financeiros. Durante o mesmo, nenhum profissional da empresa pode divulgar qualquer informação ao mercado, seja através da imprensa ou de outros meios.

Isso é tudo, pessoal. Até a próxima! :*

Fontes do dia: Wikipédia, Brasil Escola, 5seleto, Geocities, E-commerce, Sinprorp, Info Escola, Dino Blog, Race Comunicação e Capital Aberto.

Anúncios

Um pensamento sobre “#03 RP de A a Z: o dicionário de termos do bom comunicador

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s