#02 Mudei de país, e agora?

Por Michele Boin

Olá! Cá estamos de novo!

Nesta série que trata sobre a experiência do intercâmbio, com seus desafios e conquistas, conversamos hoje com a Juliana Alves Fernandes, de 22 anos, Bacharela em Relações Públicas pela Universidade Metodista de São Paulo, onde se formou em 2014. Desde agosto de 2015, ela está nos Estados Unidos por meio de seu trabalho como aupair, e conta o que já fez e o que pretende fazer lá nesse período. Você pode conferir o relato anterior aqui!

VRP: Para qual país você foi? Quanto tempo ficou lá? Quando a viagem aconteceu?

Juliana: Vim para os EUA como aupair. Cheguei no fim de agosto e estou aqui ainda. O plano é ficar um ano firmada em contrato com possibilidade de estender por mais um ano

12036364_885594204869691_2673517801211920494_n

Viagem de Juliana Alves aos Estados Unidos

VRP: Como conseguiu a oportunidade?

Juliana: Procurei pela agência e me inscrevi no programa.

VRP: Você já tinha viajado para o exterior anteriormente? Para qual lugar e em qual ocasião?

Juliana: Já tinha ido ao Japão em um intercâmbio esportivo, onde passei 20 dias. E também já fui para a Disney, em Orlando (EUA), em férias, onde fiquei 10 dias.

VRP: Quando viajou, você já tinha fluência na língua nativa? Percebeu alguma grande diferença entre o seu aprendizado no Brasil e a prática do idioma no país?

Juliana: Estudei inglês por cinco anos, mas estava longe da fluência. Aqui aprendo muito com a minha família e amigos. A grande diferença são expressões  que eles usam no dia-a-dia que não são ensinadas em nenhuma escola de inglês, e também você percebe em que ocasião cada expressão é usada

12321295_904016609694117_5128360500733257982_n

Viagem de Juliana Alves aos Estados Unidos

VRP: Por que optou por fazer o intercâmbio? Quais são seus planos, sonhos e ambições com isto?

Juliana: A principal motivação foi uma busca por autoconhecimento,  e,  claro,  melhorar o inglês e experiência de vida.

VRP: Quais são suas condições no exterior?

Juliana: Moro na casa da família onde trabalho com as crianças. Como preciso levá-los para as atividades extra-escolares, me locomovo com o carro da família, que muitas vezes também uso no meu tempo livre. A maioria dos meus amigos aqui consiste de outras aupairs na mesma condição.

VRP: Você se sentiu bem acolhida pelos nativos do país? Por quê?

Juliana: Minha família foi muito receptiva assim como todos com quem eu tenho contato aqui. Sinto que os americanos estão tão acostumados com estrangeiros que eles não te tratam de forma especial.

12246660_893307767431668_7303095031580949822_n

Viagem de Juliana Alves aos Estados Unidos

VRP: Como interpretou a questão da diferença cultural? Pode me dar exemplos das maiores diferenças de hábitos e cultura com relação ao Brasil?

Juliana: Uma das maiores diferenças está na alimentação, já que o almoço não é uma refeição levada a sério. O jantar acontece no máximo às 18h.

VRP: Quais são as maiores dificuldades enfrentadas no país?

Juliana: A língua é  a primeira dificuldade, com certeza. A comunicação é fundamental e você se sente frustrado quando quer dizer algo e não sabe como, ou também quando não entende o que te dizem.

VRP: Faria intercâmbio de novo? Por que, para onde e por quanto tempo?

Juliana: Faria, com certeza, pois a experiência de vida adquirida nesse tempo supera qualquer aprendizado escolar.

VRP: O que essa experiência acrescentou à sua vida?

Juliana: Autoconhecimento, mais segurança, conhecimento sobre novas culturas e também aprendi a valorizar pequenas coisas que antes não dava tanta importância. Os auto questionamentos também são muito produtivos quando você se vê sozinho e pode fazer o que quiser.

12278930_895961547166290_5274063577758844182_n

Viagem de Juliana Alves aos Estados Unidos

VRP: E como comunicador, qual foi o “peso” do intercâmbio na sua vida acadêmica e profissional? Exemplifique.

Juliana: Com certeza o aprendizado da língua inglesa. Embora também entender diferentes culturas e formas de pensar fazem de um comunicador muito mais experiente.

VRP: Alguma dica extra para os intercambistas iniciantes?

Juliana: Não tenha medo de se expressar em outro país. Seja você mesmo e encare o desafio como um aprendizado para sua vida. Pesquise sobre o lugar e sobre tudo, mas saiba que você mesmo sabendo tudo sempre será surpreendido.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Por hoje ficamos por aqui. Se você tem vontade de participar da série contando a sua experiência como intercambista (serve o gringo no Brasil também), mande um e-mail para michele.fboin@gmail.com 😉

Anúncios

Um pensamento sobre “#02 Mudei de país, e agora?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s