Ser mulher. Negra. Mulher negra.

Por Fernanda Bueno

Primeiro vem o ser mulher. Ser mulher já é uma tarefa complexa no mundo em que vivemos. Independente da cultura, cabe a nós mulheres uma série de tarefas, entregas e responsabilidades que nem sempre  condizem conosco e principalmente com as nossas vontades. Pasmem aqueles que desconhecem esse fato, mas as mulheres também são seres pensantes e agentes. Agentes do seu pensamento, do seu corpo, do seu sexo e da sua aparência.

O reconhecimento como ser negro vem a seu tempo. O que a sociedade julga a seu respeito por conta da sua cor de pele e o que você mesma entende a respeito disso, pode vir a acontecer antes ou depois do entender-se como mulher. Se afirmar sabendo todas as consequências das situações as quais você está exposta após ter consciência de que exisistir, e somente existir, pode provocar reações indelicadas nas pessoas, faz parte do desafio e da busca pela compreensão de si mesma.

Quando você entende que a sua presença (exclusivamente pelo fato de que você É – do verbo SER – em alguns espaços) atinge certas pessoas repletas de racismo e preconceito, é o momento em que se passa a usar da aparência como ferramenta de luta e uma força de AÇÃO.

A liberdade para transitar em diferentes espaços, como mulher, e adiante como MULHER-NEGRA (aqui utiliza-se do hífen justamente para não separar esses dois itens, porque são coisas tão genuinamente intrínsecas que não devem ser descoladas) passa a ser uma estratégia, uma questão de enfrentamento e AFROntamento, para alguns.

novembro-afro-vrp

O fardo da beleza que pesa e nos corrói desde muito novas, passando por processos agressivos a fim de transformar nossos traços ancestrais, como ocorre com muitas – de nós – crespas, é um dos inúmeros exemplos de agressões sutis que experienciamos durante a nossa construção como mulheres negras. O caminho até a segurança e a autoafirmação, na maioria das vezes, não tem muitas flores, pelo contrário, tem vários espinhos.

Em outro momento desta caminhada é que temos maturidade para compreender, que sim, o jeito como nos apresentamos, ou seja, a indumentária, a roupitcha, o look – a moda, também pode estar a nosso favor!

Vestir também uma forma de expressão. É através do uso de alguns elementos que mostramos ao mundo como nos identificamos e a qual grupo pertencemos. Não deixa de fazer parte de uma associação baseada em estereótipos, porém, é também, uma forma de nos apropriarmos dessa estética a fim de comunicar o nosso sentimento, a nossa convicção de que ocupar, (r)existir é necessário e vai acontecer.

É necessário trabalhar a apropriação e o SENTIR para que estejamos com a cabeça erguida, preparadas para permane-ser. Assumir a negritude por meio da roupa, usar o jeito que você veste pra transmitir uma mensagem, é empoderamento. A comunicação, mais do que estratégias e ferramentas, somos nós mesmas.

Nosso corpo é tão político quanto a nossa voz. Falar através das cores, dos formatos e tamanhos é a essência de existir. O jeito como nos apresentamos, principalmente levando em consideração o espaço onde estamos, é como a personificação de um discurso. Um texto que é lido com uma interpretação equívoca, não conduz às reações esperadas. A nossa presença e aquilo que transparecemos também pode ser interpretado através da nossa apresentação física.

Como Relações-públicas, isso se torna ainda mais essencial. Pregando a favor e em defesa de uma profissão mais humana, o trabalho de personificar nossa imaterialidade e crenças por meio de nossas atitudes, deve ser feito utilizando o próprio corpo, a MINHA e a SUA moda, para dialogar e para impactar os ambientes. Ontem mesmo, li uma frase que dizia: “a moda é a pele da cultura”, sendo assim, vamos nos apropriar da nossa cultura afrolatinoamericana, caminhar e seguir para um futuro onde o respeito seja a nova preta.


fernanda bueno

 

Fernanda Bueno é artivista, feita vento e açúcar, relações públicas da vida, vinda diretamente do estado viajante.

Anúncios

Um pensamento sobre “Ser mulher. Negra. Mulher negra.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s